Prefeitura, Instituto ‘Sonhe Sertão’ e APAE formalizam convênios de cooperação

publicado: 13/01/2022 23h58,
última modificação: 13/01/2022 23h58

Um dos projetos inovadores e de grande alcance social, o ‘Sonhe Sertão’ que começou a funcionar em fins de 2021 no município de Itaíba, vai ganhar um reforço para o seu funcionamento. Na manhã desta quarta-feira (12), a prefeita Regina Cunha e o Pastor David Manoel de Santana, representante do instituto, formalizaram um convênio de cooperação técnica-financeira através do projeto “Novos Sonhos”. Outra entidade que também vai receber o apoio da prefeitura é a APAE.

“Nos últimos anos temos investido muito na proteção as nossas crianças e adolescentes, o que nos garantiu a premiação da Unesco com o Selo Unicef. Agora, essa parceria com o Instituto Sonhe Sertão e com a APAE vem fortalecer ainda mais essas conquistas e ampliar esse trabalho em defesa das crianças itaibenses”, afirmou Regina.

Em relação ao “Sonhe Sertão, o Convênio irá permitir a prefeitura de Itaíba realizar um repasse mensal de R$ 5 mil para o custeio das atividades do projeto “Novos Sonhos”, além de apoio institucional as ações desenvolvidas pelo instituto. Os recursos deverão ser utilizados na melhoria e implantação de mais atividades planejadas e projetadas, como as (os) oficinas, entretenimentos, cursos, treinamentos, exercícios físicos, atendimento com distribuição de alimentação, atendimentos fisioterapeutas, atendimentos psicológicos, entre outros.

O Sonhe Sertão começou a funcionar em setembro do ano passado, acolhendo inicialmente 60 crianças para pratica de Esporte, Educação e Recreação. O instituto funciona no prédio do Instituto Galindo Ramos e é o primeiro polo fora de São Paulo, onde foi criado. O local foi cedido pelo Sr. Edilson Galindo Ramos, que fez uma concessão de 30 anos ao Sonhe!

Já com a APAE (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), representada pelo casal e responsáveis pela entidade, Pedro e Magda Cymone, a prefeita Regina Cunha assinou outro convênio para a concessão de recursos financeiros da ordem de R$ 6 mil mensais para serem investidos no atendimento com distribuição de alimentação, atendimentos fisioterapeutas, atendimentos psicológicos, controles cadastrais da assistência social, atendimentos psiquiátricos, professores para educação pedagógica, professores para educação física, dando assim mais condições de vidas aos excepcionais e seus familiares.