Gestão de Itaíba recebe elogios do relator de contas no TCE

Vinda de Brasília (DF), aonde participou do encontro de prefeitos promovido pela CNM (Confederação Nacional dos Municípios) e buscou emendas e projetos para Itaíba nos gabinetes da Câmara e do Senado Federal, a prefeita Regina Cunha teve nesta quinta-feira (5) encontro com o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco, Ranilson Ramos, na sede do TCE.

No encontro que foi acompanhado pelos advogados Dr. Pedro Melchior e Dra. Cláudia Tabosa, a prefeita Regina Cunha repassou ao conselheiro que é responsável pela análise das prestações de contas de Itaíba, toda a situação encontrada ao tomar posse e as medidas adotadas para sanear a prefeitura do município.

“Podemos passar para o conselheiro Ranilson Ramos toda a situação caótica que herdamos ao assumirmos a prefeitura de Itaíba em janeiro deste ano, com folha em atraso, débitos de fornecedores, além da prefeitura inscrita no CAUC, o SPC dos municípios, algo que conseguimos tirar com muito esforço no mês de julho”, disse Regina. Na conversa, a prefeita apresentou todas as medidas tomadas para regularizar a situação dos servidores, previdência e das finanças da prefeitura. 

Segundo o advogado Dr. Pedro Melchior, o conselheiro do TCE elogiou as medidas que vinham sendo adotadas pela prefeita, particularmente as referentes ao equilíbrio fiscal da Prefeitura e do Fundo de Previdência. À prefeita, Ranilson Ramos recomendou que ela dê toda a atenção a adequação da prefeitura a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) no tocante ao gasto com a folha de pessoal, deixando o percentual na casa dos 50%.

Ao iniciar o governo, a prefeita Regina Cunha tinha gastos com pessoal num percentual de 56,15% contrariando a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Após muito planejamento e racionalização dos recursos, a Prefeitura de Itaíba reduziu esse índice para 53,55% segundo revelou a advogada Cláudia Tabosa. Um número já abaixo do limite legal previsto pela LRF que é de 54%. A recomendação do conselheiro Ranilson Ramos é reduzir em mais 3,55% pontos percentuais esse gasto.